Com crise, brasileiro passou a racionalizar compras e a substituir itens.

Neste período de crise e “dinheiro curto”, com milhões de pessoas desempregadas, ocorreram mudanças nos hábitos e consumo dos brasileiros. Muitos passaram a racionalizar suas compras e substituir produtos por similares mais baratos ou mesmo por outras categorias.

Uma pesquisa que monitora 11,3 mil lares mostrou que a composição do carrinho de compras do brasileiro mudou. Para incluir novas tendências de consumo na “cesta básica”, as famílias passaram a comprar menos ou com menor frequência outros itens tradicionais das prateleiras.

Segundo o levantamento, no período de abril de 2016 a março de 2017, os produtos cujas vendas mais cresceram em unidades no último ano foram:

  • chá líquido (+71%)
  • complemento alimentar (+44%)
  • cappuccino solúvel (+25%)
  • molho para salada (+25%)
  • água de coco (19%)

Na outra ponta, as maiores quedas foram registradas nas vendas de:

  • petit suisse ou queijinhos (-39%)
  • fraldas descartáveis (-28%)
  • iogurte (-15%)
  • lâminas de barbear (-12%)
  • inseticidas (-11%)

Confira abaixo as 10 categorias cujas vendas mais caíram e as 10 cujas vendas mais cresceram no país, na média geral e por faixa etária:

Mudanças no consumo das famílias (Foto: Arte G1)

Para a diretora de Negócios e Marketing da pesquisa, Christine Pereira, o resultado mostra que, além de trocas, está ocorrendo uma racionalização do consumo pelos brasileiros:

“É racionalização mesmo. É claramente o dinheiro curto. Estamos vendo em várias categorias essa tendência de fazer durar mais o produto para caber no bolso”

“Em crises anteriores, buscava-se a marca de baixo preço. Agora, o bolso está muito mais apertado, mas o consumidor não quer abrir mão de categorias que estão facilitando a vida deles. Se ele enxergar um benefício claro, ele paga e racionaliza em outra coisa”, explica Christine.

Fonte: G1